Não Componho Concertos, nem Sonatas nem mesmo Sinfonias … a forma musical preferencial que utilizo nas minhas composições é inédita… chamo-a de “Consonia”

Não Componho Concertos, nem Sonatas nem mesmo Sinfonias … a forma musical preferencial que utilizo nas minhas composições  é inédita… chamo-a de “Consonia”.

A Consonia defino-a como sendo uma forma musical improvisada (introduz-se assim um conceito de improviso da forma e não só da música). A forma pode ser improvisada na altura da performance ou na altura da criação da obra se esta for de carácter fixo/escrito (mas terá de partir sempre de um improviso de forma).  Esta improvisação da forma é feita num diálogo típico entre a composição da música e o que cada motivo/ideia  musical e respetivo desenvolvimento vai pedindo ou sugerindo em termos de forma musical que está a ser improvisada.

A ConSoNia tem como referência a base de três das mais consagradas formas musicais: Concerto, Sonata e Sinfonia (tal como o seu próprio nome indica). A Consonia não é no entanto fixa, nem balizada, estas formas clássicas são meros referenciais, pontos de partida, intermédios e de chegada que, de quando a quando, deverão surgir na mente do compositor como pilares que evitam o completo caos do devaneio descontrolado ….

A Consonia é preferencialmente uma forma musical de escrita/improviso para um instrumento solista e um som da natureza (ou um conjunto de instrumentos e um ou mais sons da natureza) . Não sendo esta característica obrigatória é no entanto muito recomendada para que a forma seja potenciada ao máximo da sua expressão artística.

A consonia pretende conter dentro de si a representação da imprevisibilidade do universo na imprevisibilidade da sua própria forma, bem como ao mesmo tempo a harmonia e/ou de alguma forma a convivência com a natureza, que rodeia toda a obra tal como a vida humana vai acontecendo rodeada pela natureza … a consonância que próprio nome pode também sugerir…

A Consonia e assim a forma perfeita de composição musical Universal a ser utilizada pelo ser humano.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *